Encontrar profissionais capacitados é o maior desafio no Brasil - Monitor da Educação Corporativa
Encontrar profissionais capacitados é o maior desafio no Brasil
Estudo aponta por que empresas têm dificuldade em suprir vagas, principalmente nas áreas mais especializadas. Com desemprego baixo, questão salarial não é problema.
Foto de Alistair Cox, CEO global da Hais.
Para Alistair Cox, CEO global da Hais, a pressão no mercado vem crescendo em todo o mundo (Foto: Hais)
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...Loading...
5 - nov - 2014
0 Flares 0 Flares ×

Paula Cabrera

A legislação trabalhista e a dificuldade do profissional em se adaptar a uma vaga um pouco diferente do seu perfil, são os fatores que mais desafiam as contratações e retenções de talentos no mercado de trabalho brasileiro em 2014, segundo a terceira edição do Hays Global Skills Index, estudo lançado mundialmente no final de setembro pela Hays, consultoria especializada em recrutamento de média e alta gerência, em parceria com a Oxford Economics.

O Brasil ficou em 14º lugar no ranking que apura, em vários países, a competitividade por talentos e os desafios da mão de obra. A pesquisa analisou 31 grandes economias com diferentes patamares de desenvolvimento. A nota atingida pelo país foi de 5,4, em uma escala de 0 a 10, na qual notas altas sinalizam maiores dificuldades na busca por talentos exercida no mercado de trabalho. Ou seja, a dificuldade de balancear as necessidades dos setores produtivos com as características de mão de obra disponíveis.

A posição do Brasil mostra-se, nesse mercado de profissionais altamente especializados, menos pressionado (mostra menos dificuldade em encontrar profissionais e preencher vagas) do que países como Suécia, Hungria, Espanha e Estados Unidos, locais onde há maior pressão segundo o ranking. Em situação melhor do que o Brasil estão países como Chile, Bélgica, Itália e Cingapura. O estudo é desenvolvido a partir do knowhow da Hays, que, anualmente, recebe 8 milhões de currículos e posiciona 250 mil profissionais no mercado. Foi elaborado em conjunto com a Oxford Economics.

A falta de flexibilidade do mercado de trabalho devido ao enrijecimento da legislação trabalhista seria o item de maior responsabilidade pela nota brasileira, segundo a pesquisa, e essa regulamentação seria uma pressão ascendente em nosso mercado. Outra pressão ascendente seria o que os pesquisadores chamam de “incompatibilidade de talentos”: na prática, a formação oferecida hoje pelas universidades “engessa” a colocação do profissional em áreas especificas de trabalho, o que torna a procura por algumas ocupações muito mais trabalhosas, principalmente nas áreas exatas. Empresas estão lutando para encontrar colaboradores com as habilidades necessárias, particularmente em ocupações altamente qualificadas, como TI e Engenharia. “É preciso que haja um alinhamento entre agentes econômicos e grupos de ensino para que os jovens obtenham conhecimentos que estejam de acordo com as necessidades do mercado”, diz Carla Rebelo, diretora geral de Operações da consultoria.

Como solução, o grupo Hays defende que governo e setor privado devem trabalhar juntos para encontrar novos arranjos, que ajudem a desenvolver uma força de trabalho local com as habilidades necessárias para a indústria e desse modo dê suporte para um posterior crescimento econômico.
Para Carla, a situação só não é pior porque os salários oferecidos pelas empresas – e pedido pelos profissionais – ficaram entre os menores problemas na hora de efetivar a contratação. “Constatamos que, mesmo num cenário de alta inflação, os salários cresceram moderadamente, exceto em áreas altamente especializadas, como Engenharia, Biotecnologia e Ciências da vida”, comenta.

Análise global

Na visão de Alistair Cox, CEO global da Hays, o movimento de recuperação econômica de países importantes como Estados Unidos e Alemanha apresenta duas faces. “É a primeira vez desde que lançamos o Hays Global Skills Index que temos evidências de boas notícias para o board das empresas. Por outro lado, a pressão nos mercados de trabalho vem crescendo. Caso o assunto não seja enfrentado, veremos grandes oportunidades sendo desperdiçadas”, afirma.

Leia mais informações sobre a pesquisa (em inglês) aqui.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×
Nenhum Comentário

Comentários

Deixe um comentário

Adcionar o comentário para esse post

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×