ABDI vai estimular tecnologias relevantes - Monitor da Educação Corporativa
ABDI vai estimular tecnologias relevantes
Focada na indústria da defesa, ação vai realizar oficinas técnicas e detectar talentos
Encontro no dia 17 reuniu 200 representantes do setor da defesa (Foto: ABDI)
Encontro no dia 17 reuniu 200 representantes do setor da defesa (Foto: ABDI)
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...Loading...
23 - dez - 2014
0 Flares 0 Flares ×

Com o objetivo de identificar as tecnologias aplicadas à indústria de defesa com potencial de difusão no Brasil até 2029, promover a dinamização do setor e revelar talentos na área, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), com o apoio do Ministério da Defesa (MD), elaboraram uma lista prospectiva de tecnologias para três segmentos: sensores e comando e controle, armas inteligentes, e veículos não tripulados. No dia 21 de novembro, essa lista foi submetida a uma consulta estruturada com um painel de especialistas da indústria de defesa. A segunda edição do debate aconteceu no último dia 17 de dezembro, na Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), em Brasília.

Neste segundo encontro, cerca de 200 representantes dos setores, público, privado, e de organismos internacionais foram divididos em quatro grupos de trabalho para no final apresentar contribuições ao estudo. A publicação será lançada no primeiro semestre de 2015, e tem como objetivo apresentar sugestões para a construção de uma política pública direcionada ao segmento de defesa. Entre outras ações, a metodologia de pesquisa contou com aplicação de questionários e entrevistas para chegar a um diagnóstico por categoria.

A consulta ao setor compõe uma das etapas da Agenda Tecnológica Setorial (ATS) de Defesa. Ao longo de todo o dia, foram consultadas 257 tecnologias divididas em cinco áreas tecnológicas: Sensores, Propulsão e Motores, Tecnologia da Informação e Comunicação, Furtividade e Suporte Tecnológico. Devido ao caráter reservado atribuído à lista de tecnologias pelo MD, todos os respondentes assinaram termo de confidencialidade, de forma a garantir o sigilo das informações. “Para aplicação da consulta, o CGEE fez adequações no sistema para garantir que fosse respeitado o sigilo das tecnologias que compõem a lista investigada”, explicou Kátia Beltrão, do CGEE.

Ação conjunta

Para realizar a consulta, a ABDI contou com o apoio do Instituto Militar de Engenharia (IME/RJ) e da Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos – Professor Jessen Vidal (Fatec/SP) –, o que viabilizou a formação de um painel com 110 especialistas, respondendo presencialmente a consulta, simultaneamente nas cidades do Rio de Janeiro e São José dos Campos. O painel foi formado por convidados de empresas, da academia, do governo e das Forças Amadas do Brasil.

“Queremos selecionar as tecnologias relevantes para a indústria de defesa, em particular aquelas que o país tem potencial de domínio tecnológico e produtivo, devido à capacitação dos ICTs e à robustez de nossas empresas. Com a ATS Defesa, acreditamos que vamos subsidiar a elaboração de políticas públicas voltadas para a interação academia-empresa e para o fortalecimento da competitividade da indústria e da segurança nacional”, explicou a diretora da ABDI, Maria Luisa Campos Machado Leal, que coordenou os trabalhos na unidade em São José dos Campos. A gerente de projetos da agência, Carla Naves, e a coordenadora do setor Aeroespacial e Defesa, Cynthia Mattos, coordenaram os trabalhos no Rio de Janeiro.

O MD esteve representado pelo diretor de Ciência e Tecnologia Industrial, general-de-divisão Aderico Mattioli, que destacou ser a ATS importante para o desenvolvimento de novas competências no Brasil. “Estamos em busca da autossustentabilidade em ciência, tecnologia e inovação. E, para isso, há muitos degraus a serem conquistados, como conhecer novas oportunidades e investir nas competências já existentes”, resumiu o general.

Após a consolidação dos resultados da consulta estruturada, as tecnologias serão qualificadas, num horizonte de 15 anos, considerando a factibilidade técnica e a viabilidade comercial no mundo, o cerceamento, a emergência e a dualidade, conforme a metodologia da ATS. A ideia é agrupá-las de maneira a permitir a realização de ações concretas e diferenciadas para viabilizar o desenvolvimento e a difusão no Brasil. Na sequência, a ABDI promoverá oficinas técnicas com o governo para a apresentação dos resultados da seleção das tecnologias relevantes consideradas pela consulta e, em seguida, fará uma rodada com os respondentes para debater os resultados.

As Agendas Tecnológicas Setoriais (ATS) são instrumentos de apoio ao Plano Brasil Maior (PBM), coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e à Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI), coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Seu objetivo é identificar as tecnologias relevantes para a competitividade de diversos setores da indústria brasileira no horizonte de 15 anos, tendo a inovação como fator de reposicionamento da indústria. O projeto vem sendo executado por meio de uma parceria entre a ABDI e o CGEE, que dividem a coordenação executiva da elaboração das ATS, mediante recursos da ABDI e do MCTI, repassados ao CGEE.

A partir da consulta, as tecnologias relevantes identificadas nas ATS tornam-se subsídios para a atribuição de prioridades de pesquisa, desenvolvimento e inovação; para negociações de offset, joint-ventures tecnológicas, atração de plantas e de centros de pesquisa e desenvolvimento e para a formação de talentos. Também subsidiam a identificação de modelos de negócios de modo a viabilizar a produção no país das tecnologias relevantes.

(Com informações da Assessoria de Comunicação da ABDI)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×
Nenhum Comentário

Comentários

Os comentários estão fechados.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×